Farmacologia em Urgência e Emergência

Denomina-se acidentes com medicamentos todos os incidentes, problemas ou insucessos, inesperados ou previsíveis, produzidos ou não por erros, consequência ou não de imperícia,


Texto en PDF



1

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL “MANOEL GUEDES”Escola Técnica “Dr. Gualter Nunes” Curso de HabilitaçãoProfissional de Técnicoem EnfermagemFarmacologia emUrgência e EmergênciaMÓDULO IITatuí

2

Sumário1. Introdução:2. Responsabilidades Legais:3. A Segurança no Processo de Medicação em Serviço de Emergência3.1 Aspectos Gerais sobre os Acidentes com Medicamentos3.2 Causas dos erros de medicação3.3 Fatores Associados ao Sistema de Trabalho que influenciam os Erros de Medicação4. Medicamentos usados em Emergências Clínicas4.1 Via de Administração4.2 Absorção4.3 Condições clínicas que afetam a absorção4.4 Distribuição5 Condições Clínicas que Afetam a Distribuição4.6 Metabolização4.7 Condições Clínicas que afetam a Metabolização4.8 Excreção4.9 Condições Clínicas que Afetam a Excreção5. Broncodilatadores5.1 Agonistas Adrenérgicos5.2 Derivados da Xantina6. Ipratrópio6.1 Reações Adversas e interações Medicamentosas dos Bronco dilatadores6.2 Cuidados de Enfermagem na Administração dos Broncos dilatadores6.3 Cuidados adicionais necessários quando do uso da aminofilina são descritos abaixo:7. Sedativos e Hipnóticos7.1 Benzodiazepínicos7.2 Neurolépicos7.3 Reações Adversas e interações Medicamentosas dos Sedativos e Hipnóticos7.4 Cuidados de Enfermagem na Administração de Sedativos e Hipnóticos
8. Drogas Vasoativas8.1 Classificação das Drogas Vasoativas8.2 Dopamina8.3 Dobutamina8.4 Noradrenalina9. Drogas Vasodilatadoras9.1 Nitroprussiato de Sódio:9.2 Nitroglicerina9.3 Açãode Enfermagem frente ás Drogas Vasoativas10. Emergências Hipertensivas10.1 Principais drogas utilizadas nas crises hipertensivas10.2 Ações de Enfermagem11. Síndrome Coronariana Aguda11.1 Drogas utilizadas no atendimento inicial da SCA12. Terapêutica Trombolítica12.1 Comparação entre os Trombolíticos13. Medicamentos mais usados na Parada Cardiorrespiratória14. Analgésicos Opióides14.1 Condições clínicas que requerem cautela na administração15. Drogas Antiarrítmicas15.1 Antiarrítmicos mais utilizados:Droga Hipertensora

3

1. Introdução:Uma das maiores responsabilidades atribuídas ao profissional de enfermagem éo preparo e a administração de medicamentos.Qualquer erro, seja no preparo ou na administração, pode trazer conseqüências fatais para o paciente.Portanto, é imprescindível que a equipe de enfermagem, durante a terapêutica medicamentosa, observe e avaliesistematicamente o cliente quanto a possíveis incompatibilidades farmacológicas, reações indesejadas, bem como interações medicamentosas, com o intuito de minimizar riscos ao cliente. Mediante tal responsabilidadeé indispensável que os profissionais de enfermagem tenham conhecimento teóricoprático,ou seja conhecimento variado, consistente e profundo,ética, e uma atuação extremamente cuidadosa.É fundamental que o profissional de enfermagem conheça os princípios básicos da terapêutica medicamentosa cotidiana, que compreende:AçãoDoses Vias de administraçãoEfeitos colateraisCuidados de enfermagem na administração.2. Responsabilidades Legais:As responsabilidades legais relacionadas com o preparo e a administração de medicamentos são norteadas pelo código de Ética dos Profissionais de EnfermagemDas responsabilidadescapítulo III, artigo 16 “Assegurar ao cliente uma assistência de Enfermagem livre de danos decorrentes de imperícia, negligência ou imprudência”; artigo17 “Avaliar atenciosamentesua competência técnica e legal e somente aceitar encargos ou atribuições quando capaz de desempenho seguro para si e para a clientela.”Dos deveres capítulo IV, artigo 24 “Prestar à clientela uma assistência de Enfermagem livre de riscos decorrentes de imperícia, negligência e imprudência.”Das Proibições capítulo V, artigo 47 “Administrar medicamentos sem certificarse da natureza das drogas que o compõem e da existência de risco para o cliente.”; artigo 48 “Prescrever medicamentos ou praticar ato cirúrgico, exceto os previstos na legislação vigente e em caso de emergência.”; artigo 50 “Executar prescrição terapêuticas quando contrárias à segurança do cliente.”3. A Segurança no Processo de Medicação em Serviço de Emergênci3.1 Aspectos Gerais sobre os Acidentes com MedicamentosDenominase acidentes com medicamentos todos os incidentes, problemas ou isucessos, inesperados ou previsíveis, produzidos ou não por erros, consequência ou não de imperícia, imprudência ou negligência, que ocorrem durante o processo de utilização dos medicamentos. Este conceito engloba toda a sequência de procedimentos técnicos ou administrativos, que causem ou não danos ao paciente. São, portanto, todos os eventos adversos relacionados aos medicamentos, os quais, por sua vez, dividemse em reações adversas e erros de medicamentos.Os acidentes com medicamentos podem ser classificados conforme descrito a seguir:Eventos adversos:são aqueles que causam danos ao paciente, provocados pelo uso ou pelfalta do uso do medicamento quandonecessário. São divididos em:Reação adversa ao medicamento:
é qualquer efeito prejudicial ou indesejável que se
apresente após a administração correta de doses normalmente utilizadas para profilaxia, diagnóstico ou tratamento de uma enfermidade.

4

Erros de medicação:
aqueles relacionados ao sistema, profissionais e pacientes. Causam
danos evitáveis.
Eventos adversos potenciaissão erros de medicação que não chegam a atingir o paciente. Podem ser classificados como:Errointerceptado
em alguma etapa do sistema de medicação

Evento ou circunstância com a capacidade de causar erro.
Erros banais:são erros que ocorrem, atingiram o paciente, mas não causaram danos ao mesmo. São evitáveis.Taxonomia dos tipos de erros de medicação (American Society of HealthSystem Pharmacists)
Tipos

Definição

Prescrição
Seleção incorreta do medicamento; dose; apresentação; via de administração;
concentração; velocidade de infusão; orientações de uso feitas pelo médico.
Omissão

Não administr
ação de uma dose prescrita para o paciente

Horário
Administração do medicamento fora do intervalo de tempo predefinido na folha de
prescrição
Administração de um
medicamento não
autorizado.
Administração de um medicamento não autorizado pelo médico responsável pelo
paciente.
Dose
Administração de uma dose maior ou menor que a prescrita ou administração diferente
à prescrita pelo médico.
Apresentação
Administração de um medicamento a um paciente em apresentação diferente à
prescrita pelo médico.
Preparo

Medicamento incorretamente formulado ou manipulado antes da administração

Técnica de
administração
Uso de procedimentos inapropriados ou técnicas inadequadas na administração.
Medicamentos
deteriorados
Administração de medicamento com data de validade e
xpirada ou quando a
integridade física ou química do medicamento está comprometida.
Monitoramento
Falha em rever um esquema prescrito para a devida adequação ou detecção de
problemas, ou falha em usar apropriadamente dados clínicos ou laboratoriais para
valiar a resposta do paciente à terapia prescrita.
Aderência do paciente
Comportamento inadequado do paciente que interferem em sua participação na
proposta terapêutica
Outros

Quaisquer outros erros não enquadrados acima (por exemplo: via de administraçã
o).

O problema do erro humano pode ser visto sob duas perspectivas: a abordagem da pessoa ou do sistema. A abordagem centrada na pessoa possui como foco os erros e violações de procedimentos cometidos por pessoas, e esses atos são provenientes de falta de atenção, baixa motivação, esquecimento, negligência e descuido. A abordagem sistêmica defende que humanos são falíveis e que erros devem ser esperados, mesmo nas melhores organizações. As causas dos erros de medicação são muito complexas. Na maioria dos casos os erros são multifatoriais, porque resultam de múltiplos fatores ou falhas presentes no sistema, relacionados não só com organização, procedimentos, condições de trabalho etc., como também com profissionais que estão em contato direto com os processos.

5

As principais causas de erros de medicação e de fatores associados ao sistema de trabalho que influenciam a ocorrência de erros de medicação, estão apresentadas na tabela abaixo.3.2 Causas dos erros de medicação
Fatores

Causas

Prescrição médic

Verbal: incorreta, incompleta ou ambígua.

Escrita: incorreta, ilegível, incompleta ou ambígua.
Interpretação incorreta.
Paciente

N潭攺⁴r潣慳,⁨潭im潳, f慬桡⁤攠i摥湴ific懧⸀
Medicamento

Nome: similaridade fonética ou ortográfica.

Similaridade: rótulo, da apresentação (comprimido, cápsula), da cor,
da forma e do tamanho.
Prospectos, fichas técnicas e informativos incompletos, que induzam a
erros.
Embalagem exterior: informação incompleta e aparência que induzam
a erros.
Equipamentos e dispositivos
e dispensação, preparo e
administração

Defeitos falta de manutenção preventiva.

Falhas no sistema automático de dispensação.
Falha do sistema de infusão/bomba.
Outros.
Fatores humanos

Imperícia, imprudência, negligência.

Falta de conhecimento / informação de medicamentos
Falta de conhecimento / informação sobre o paciente.
Desconhecimento de normas e padrões estabelecidos.
Descumprimento de normas e padrões estabelecidos.
Erro no cálculo das doses e da velocidade de infusão.
Erro na escolha do equipamento/ dispositivo
Preparo incorreto
Administração incorreta ( nove certos)
Falha de anotações (checagens, reações, etc.)
Lapsos, distrações, desvios de atenção.
Estresse e sobrecarga de trabalho.
Cansaço, sono.
Uso de medicamentos, álcool, drogas.
Ansiedade, preocupações.
Situações intimidatórias, complacência e medo.
Outros

儀畡is煵敲utr潳⁣itad潳⁡cim愮
3.3 Fatores Associados ao Sistema de Trabalho que influenciam os Erros de Medicação
Fatores do Sistema

Causas

Sistema de comunicação /
informação

F
alta de prescrição eletrônica

Transcrição da prescrição
Falta de informação sobre os pacientes

6Falta de anotação / evolução (prescrição / prontuário)

Falta de notificação de reações adversas
Falta de comunicação: entre profissionais e entre setores
Não informar os pacientes sobre a terapia medicamentosa
Sistema de medicação

Fluxograma (grande número de etapas)

Falta de rotinas de reabastecimento de estoque
Inexistência de sistema de dose unitária
Falta de central de preparo de soluções intravenosas
Falta de dupla checagem na dispensação
Normatização de
procedimentos

Falta de protocolos e diretrizes atualizadas

Falta de protocolo de segurança
Recursos humanos

Dimensionamento insuficiente

Pessoal não fixo, troca de tarefas, remanejamentos
Capacitação insuficiente
Fatores ambientais

Arquitetura, ergonomia

Iluminação, ruídos, temperatura
Organização (acondicionamento de medicamentos)
Interrupções e distrações frequentes
Outros

儀畡is煵敲utr潳⁣itad潳⁡cima
O potencial de risco para erros de medicação existente no setor de emergênciaé observado, principalmente, pela quantidade de medicamentos que são prescritos e administrados durante a fase crítica do atendimento. Além disso, alguns agentes, como as drogas vasoativas e os eletrólitos, requerem o cálculo rigoroso da dose e da velocidade de infusão. Por outro lado, esse risco estende para as demais fases do sistema de medicação e se agrava mediante o quantitativo de pacientes.4. Medicamentos usados em Emergências Clínicas IntroduçãoNo âmbito da emergência, a maioria dos pacientes admitidos requer, inicialmente, medidas farmacológicas para aliviar, controlar, diferentes manifestações clínicas ou mesmo evitar morte iminente decorrente de falências orgânicas, desequilíbrio acidobásico ou choques circulatórios. Nessas situações, a obtenção do êxito terapêutico demanda, além das habilidades técnica e diagnóstica, a de manejar a terapia farmacológica. Esta, sem dúvida, é responsável pela recuperaçãode milhares de vida, mas pode ser, também, pela morbimortalidade de muitos pacientes, principalmente quando o conhecimento acerca das reações adversas dos medicamentos, das interações medicamentosas e precauções relativas ao uso terapêutico são pouco ou, ainda, desconhecidas. Deste modo, a administração de medicamentos é um dos processos de trabalho mais complexos e um dos mais importantes neste setor, pois apresenta várias fases interrelacionadas e envolve diferentes profissionais (médicos, farmacêuticos, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem). Nocotidiano, a habilidade de manejar com segurança a terapia farmacológica deve ser compartilhada por esses profissionais, que, a partir de conhecimentos distintos, devem ser capazes de trocar, acrescentar informações e atuar de modo a completar e propor ações que possibilitem um atendimento rápido e eficaz ao paciente.

7

Início e Finalização da Ação dos MedicamentosMedicamentos exercem seus efeitos terapêuticos por meio de ligação a moléculaalvo (receptores, enzimas, canais iônicos, ácidos nucléicos) presentes nas células. A magnitude do efeito produzido a partir desta interação (medicamentomoléculaalvo) depende, especialmente, da concentração dessa substância no sítio de ação. Há vários fatores que afetam esta importante variável, como, por exemplo, adose, a via de administração e a farmacocinética absorção, distribuição, metabolização e excreção do medicamento.4.1 Via de AdministraçãoA escolha da via depende das propriedades físicoquímicas dos medicamentos, das condições física e mental do paciente e do efeito desejado, pois é a via de administração que determina o início do efeito terapêutico. As características das vias de administração mais comumente usadas estão ilustradas na Tabela abaixo. Uma vez administrado, o medicamento percorre o organismo passando por fases que estão envolvidas no início (absorção e distribuição) e na finalização (metabolismo e excreção) de sua ação. Cada medicamento apresenta farmacocinética particular, ou seja, o próprio perfil de absorção, distribuição, metabolização e excreção. Vias de Administração de Medicamentos: Características e Considerações
Via

Características

Considerações

Oral (VO)
Início de ação lenta e efeito prolongado.

Depósito dos medicamentos no TGI.
Agentes disponíveis em várias formas:
comprimidos, inclusive com revestimento
entérico, cápsulas, drágeas e soluções. Via
segura, de baixo custo, mais conveniente e
com esquemas terapêuticos fáceis de
cumprir. Requer doses maiores que as
utilizadas por vias parenterais.
Depende da colaboração
do paciente.

Podem causar irritação do TGI, N & V. Via
inconveniente para pacientes inconscientes,
com dificuldade de engolir ou que
apresentam N & V. O grau de absorção é
bastante variado. Medicamentos de liberação
gradual, com cobertura entérica e cápsulas
não devem ser macerados.
Sublingual (SL)
Depósito do medicamento na mucosa. A
absorção de agentes lipossolúveis é rápida,
atingindo prontamente a circulação. Não
sofre o efeito de primeira passagem no
fígado (biotransformação).
O medicamento não deve

ser engolido ou
mastigado. Podem aparecer sensação de
prurido sob a língua. Via imprópria para
medicamentos irritantes ou com sabor
desagradável.
Via Retal (VR)
Absorção irregular e incompleta. Evita
parcialmente o efeito de primeira passagem
no fígado (biotransformação).
Ideal para lactentes, crianças, e pacientes
inconscientes ou que apresentam N & V.
Contraindicado em pacientes com arritmias
cardíacas (estimulo do vago). Os supositórios
derretem à temperatura ambiente, e devem
ser mantidos em geladeiras . Substancias
irritantes podem causar prurido. Os
supositórios analgésicos devem ser inseridos
entre as refeições ( Peristaltismo).
Subcutâneo (SC)

Depósito dos medicamentos no tecido
Usada como via alternativa à IM e IV.

8

adiposo, região pouco vascularizada,
porém que apresentam boaabsorção de
soluções aquosas.Causa pouco trauma
tecidual. É usado, também, para a infusão
de grandes volumes (hipodermóclise)
Substâncias irritantes ou concentradas
podem provocar a formação de abcesso.
Intramuscular (IM)
Depósito de medicamentos no músculo,
região bem vascularizada. A taxa de
absorção depende das condições do local
(irrigação sanguínea e atividade muscular)
e da solubilidade do medicamento.
Soluções aquosas são rapidamente
absorvidas, porém naquelasde aspecto
oleoso, a absorção é lenta e irregular.
O limite de absorção é de 4 ml, na região do
glúteo. Causa dor. Contraindicada para
terapias longas e crônicas, para pacientes
com anormalidades na coagulação e com
doença vascular periférica. Nunca
administrar medicamentos em músculos que
apresentam contração ou tremor, Não utilizar
o glúteo como local de injeção para crianças
abaixo de 3 anos.
Intravenosa (IV)
O medicamento é depositado diretamente
na circulação, proporcionando efeito
imediato. Usada para infusão de grandes
volumes de soluções, de substâncias com
ph diminuído ou aumentado, ou
hiperosmóticas (diluídas).
O método de injeção
in bolus
permite a
administração rápida do medicamento. É
usado, também, para rapidamente atingir o
pico ideal de concentração plasmática do
medicamento. Neste tipo de via recomenda
se administrar o medicamento lentamente. A
infusão rápida pode precipitar, de modo
imediato, RAMs indesejadas. Evite a
associação de agentes incompatíveis.
TGI= trato gastrointestinal ; N&V = náusea e vômito ; RAM = reação adversa medicamentosa4.2 Absorçãoabsorção representa a transferência do medicamento do local de administração para a corrente sanguínea. Os fatores que influenciam este processo incluem a via de administração, a solubilidade do medicamento, o tipo de formulação farmacêutica e as condições do local de absorção (fluxo sanguíneo tecidual, motilidade do trato gastrointestinal, ph e tipo de dieta).As diferentes vias de administração apresentam uma velocidade de absorção particular, que depende da estrutura tecidual na qual foi depositado o medicamento. A absorção do TGI é lenta, quando comparada à mucosa sublingual.A solubilidade dos medicamentos orais depende da formulação farmacêutica, e os líquidos são absorvidos mais rapidamente que os sólidos. O fluxo sanguíneo dos tecidos interfere na velocidade de extração do medicamento. Assim, quanto maior a vascularização do tecido, mais rápida a absorção. Situações como dor e estresse podem reduzir a absorção dos medicamentos, devido à vasoconstrição periférica. Medicamentos orais são absorvidos mais facilmente quando ministrados entre as refeições. A presença de alimentos, geralmente, retarda a absorção, além de haver a possibilidade de interação alimentomedicamento. Alguns medicamentos são destruídos, se administrados junto às refeições, pelo aumento do ácido clorídrico.4.3 Condições clínicas que afetam a absorçãoA alteração de fluxo sanguíneo decorrente da redução do débito cardíaco por insuficiência circulatória (IC), da insuficiência cardíaca congestiva (ICC) ou do envelhecimento acarreta diminuição

9

da absorção de medicamentos. Na IC a absorção de medicamentos por via IM ou SC encontrase, também, reduzida.Medicamentos como a Morfina, quando administrados por via SC em pacientes com IC, devem sofrer ajuste de dose, no intuito de evitar ineficácia terapêutica (devido à baixa perfusão tecidual) ou toxidade (após restauração da circulação tecidual). As alterações decorrentes do processo de envelhecimento, representadas pela redução da motilidade intestinal e do fluxo sanguíneo (esplênico e mesentérico), diminuição na produção de secreção ácida no estomago e do número de enterócitos(célula epitelial da camada superficial do intestino delgado e grosso)ão capazes de reduzir de maneira importante a absorção de medicamentos, independentemente da condição patológica. Os pacientes portadores de insuficiência renal (IR) apresentam absorção incompleta de medicamentos, devido à utilização frequente de antiácidos e distúrbios do TGI, como náuseas e vômitos.4.4 DistribuiçãoA distribuição diz respeito ao deslocamento do medicamento da circulação sistêmica para os tecidos. Esta fase depende além do débito cardíaco, da fração de ligação dos medicamentos às proteínas plasmáticas (albumina, betaglobulina), do volume de distribuição e da dinâmica circulatória. Quando os medicamentos acessam a circulação sistêmica, uma fração é rapidamente distribuída aos tecidos (fração nãoligada) e a outra se liga às proteínas plasmáticas (fração ligada). A fração ligada não é capaz de atravessar membranas biológicas, servindo de reservatório dos medicamentos. Entretanto, quando a fração nãoligada (forma ativa) diminui nos tecidos, os medicamentos soltamse das proteínas plasmáticas, reduzindo sua concentração plasmática, e deixam a circulação com destino ao tecidos.4.5 Condições Clínicas que Afetam a DistribuiçãoA insuficiência hepática, geralmente, diminui a síntese de albumina, ocasionando uma queda nos níveis plasmáticos demedicamentos que se ligam muito à proteína, como os ácidos fracos, podendo elevar a concentração da fração livre deste e aumentar os efeitos de toxidade. O volume de distribuição de um medicamento relaciona sua concentração sanguínea com a quantidade total no corpo. Assim, qualquer fator que altere a concentração do medicamento no tecido altera também o volume de distribuição. Os pacientes edemaciados possuem um volume de distribuição grande para os medicamentos hidrofílicos, devido o acumulo de água no espaço extracelular, o que torna necessária a administração de doses de ataque em altas concentrações (infusão inicial) para obtenção do efeito esperado.Na ICC e na IC, os medicamentos, geralmente, são distribuídos de forma precária para os tecidos menos irrigados, expondo órgãos nobres, como coração e sistema nervoso central (SNC), a uma concentração excessiva. A insuficiência renal é, geralmente, acompanhada da redução de proteínas plasmáticas; desta forma, agentes como a fenitonína, que se ligam extensamente às proteínas plasmáticas, apresentam volume de distribuição maior com consequente redução das concentrações séricas (circulante), mas com níveis elevados da fração livre, podendo desencadear toxidade.Nos idosos, a redução de massa do tecido adiposo, água corporal, massa magra e de proteínas plasmáticaspredispõe à ampliação de efeito dos antidepressivos e corticoides.4.6 MetabolizaçãoA metabolizaçãode medicamentos ocorre nos pulmões, nos rins, no intestino, no sangue e, principalmente, no fígado. Este órgão representa o principal laboratório que sintetiza proteínas plasmáticas e enzimas responsáveis por catalisar reações químicas de transformação de nutrientes e medicamentos em compostos menos ativos, mais semelhantes à molécula da água para serem eliminados do organismo. Entretanto, nem sempre os produtos da metabolização são inertes. Alguns

10

mostram atividade farmacológica igual ao próprio medicamento, como por exemplo, o acetamenofeno, metabólico da fenacetina (antiinflamatório). Outros metabólicos possuem propriedades tóxicas, como ocorre com a normeperidina produto da meperidina (dolantina).4.7 Condições Clínicas que afetam a MetabolizaçãoA Insuficiência Hepática causada por lesões como a cirrose reduz o fluxo sanguíneo hepático e enta as concentrações séricas dos medicamentos administrados por VO, principalmente daqueles que sofrem efeito de primeira passagem, como o propranolol, a morfina e a nifedipina. Nessas condições, é aconselhável o uso de medicamentos metabolizados e excretados por via renal, para evitar maiores danos ao paciente.Um grande problema em relação à metabolização é o uso de indutores e inibidores enzimáticos e as interações advindas das combinações. Os indutores, como a carbamazepina, a fenitoína e o fenobarbital, aumentam a degradação e a excreção de outros medicamentos administrados conjuntamente, reduzindo o efeito farmacológico de ambos. Em contrapartida, inibidores como a cimetidina retardam a degradação dos medicamentos, intensificando a ação, seja terapêutica, seja tóxica.Nos idosos, apesar da redução da atividade enzimática do citocromo P450, do fluxo sanguíneo e das proteínas plasmáticas, o prejuízo na metabolização dos medicamentos é irrelevante. Porém, quando o idoso é portador de insuficiência orgânica ou usuário crônico de indutores ou inibidores enzimáticos, a questão assume um vulto importantes devido o risco de interações medicamentosas.4.8 ExcreçãoA composição química da substância, geralmente, determina o órgão de sua excreção. As glândulasexócrinas excretam medicamentos lipossolúveis. Quando os medicamentos são excretados pelo TGI, muitos passam por transformação química no fígado e são eliminados pela bile. Fatores que afetam o peristaltismo alteram a excreção de medicamentos pelo TGI. Por exemplo, os laxantes aceleram a excreção, os analgésicos opióides retardam o processo.A meiavida é um termo que diz respeito ao tempo que o organismo leva para excretar metade de uma determinada dose do medicamento. Este parâmetro depende do ritmo de depuração e do volume de distribuição do medicamento. Por exemplo, a morfina apresenta uma meiavida de 4 horas. Assim, um indivíduo com funções orgânicas preservadas, a frequência de administração deste agente é de 4/4 horas.A maioria dos medicamentos ébiotransformada no fígado e excretada pelos rins, alguns inclusive de forma inalterada. Quando a excreção renal encontrase prejudicada, fazse necessário reajuste da dose para evitar toxidade. Na ausência de situações clínicas, a ingestão líquida normal assegura a eliminação apropriada do medicamento.4.9 Condições Clínicas que Afetam a ExcreçãoA redução do fluxo sanguíneo renal, decorrente de condições fisiopatológicas que apresentam baixo débito cardíaco (IC, ICC, envelhecimento), resulta na diminuição da filtração glomerular e consequente atraso na excreção de medicamentos eliminados por essa via. Nessa situação a meiavida dos medicamentos encontrase elevada. Portanto, agentes, especialmente nefrotóxicos, precisam de reajuste posológico ou, em alguns casos, da suspensão da terapia.5. BroncodilatadoresUma das principais manifestações clínicas que afetam o bom funcionamento do sistema respiratório, levando o paciente a buscar um atendimento em emergência, é o broncoespasmo, que pode ter origem em diferentes doenças como asma, bronquite, pneumonias, doença pulmonar obstrutiva crônica, fibrose cística e nas rações anafiláticas.Nesta situação, são recomendados medicamentos de diferentes classes terapêuticas que podem ser administrados por distintas vias, dependendo da condição clínica do paciente. As principais classes

11

terapêuticas indicadas são os agonistas adrenérgicos, os derivados da xantina, os anticolinérgicos e os corticoides.5.1 Agonistas AdrenérgicosEsta classe terapêutica inclui adrenalina, terbutalina, fenoterol e salbutamol. A ação no sistema respiratório é decorrente da estimulação dos receptores beta adrenérgicos presentes no pulmão, que resulta no relaxamento da musculatura lisa da árvore traqueobrônquica, com consequente broncodilatação. Além disso, inibem a liberação de mediadores químicos envolvidos na precipitação das crises de broncoespasmo.O tempo de início do efeito terapêutico dos medicamentos desta classe são distintos, porém, a metabolização de todos é hepática e a excreção, renal.O uso desses agentes deve ser cuidadoso nos pacientes portadores de diabetes, doenças cardiovasculares, hipertireoidismo, aterosclerose cerebral, quadros convulsivos, hiperplasia prostática, glaucoma e em idosos.5.2 Derivados da XantinaA administração dos derivados da xantina deve ser cautelosa em idosos, pacientes com doenças cardiovasculares ou hepáticas, com úlcera péptica ativa, diabetes e hipertireoidismoA aminofilina é utilizada, preferencialmente,por via intravenosa, o que demanda cuidados relativos à incompatibilidade com outros medicamentos, muitas vezes infundidos de modo simultâneo. Deste modo, devese evitar a administração concomitante com os seguintes agentes: amiodarona, ciprofloxacina, claritromicina, dobutamina, ondanstrona.6. IpratrópioA sua açãobroncodilatadora ocorre por ação de substâncias (acetilcolina) nas terminações nervosas parassimpáticas da musculatura lisa brônquica. Além do efeito de broncodilatação, ocorre também a redução das secreções produzidas pelas mucosas nasal e brônquica. Deve ser administrado com cautela em mulheres que estão amamentando, crianças menores de 12 anos e pacientes com glaucoma ou hiperplasia prostática. 6.1 Reações Adversas e interações Medicamentosas dos Bronco dilatador
Broncodilatadores

Reações Adversas por Sistema

Interação Medicamentosa

Adrenalina
SNC


Ansiedade, cefaleia, insônia,
confusão.
SCVtaquicardia (uso parenteral),
palpitação, dor no peito, hipertensão,
aumento do consumo de oxigênio pelo
miocárdio, arritmias, angina, vasoconstrição,
morte súbita.
náusea, vômito, xerostomia
SGUretenção urinária, diminuição do fluxo
sanguíneo renal.
SME



tremor, fraqueza.

-

Aumento da toxidade da adrenalina:

anestésicos inalatórios halogenados, alfa e
betabloqueadores, antidepressivos
tricíclicos, inibidores da MAO.

Diminuição do efeito broncodilatador:
betabloqueadores

Diminuição do efeito hipoglicemiante:
hipoglicemiantes orais.
Fenoterol
SNC


cefaleia, nervosismo, tontura

SCVpalpitação, taquicardia
irritação da orofaringe, tosse.
SMEtremor, câimbras
-

Aumento d
o efeito do fenoterol:

Ipratrópio, simpatomiméticos, inibidores da
MAO e antidepressivos tricíclicos.
Diminuição do efeito broncodilatador:
Betabloqueadores.

Salbutamol
SNC



son
olência, insônia, cefaleia,
nervosismo, convulsão, tontura, ansiedade,
zumbido, inquietação, alucinação,
irritabilidade.
SCVpalpitação, taquicardia, hipertensão,
angina, hipotensão, angioedema.
SR



ressecamento nasal, irritação do nariz
-

Aumento da toxidade do Salbutamol:

Simpatomimético, metildopa, inibidores da
MAO e antidepressivos tricíclicos.

Diminuição do efeito broncodilatador:
Betabloqueadores.12

e orofaringe, t
osse, broncoespasmo
paradoxístico.
náusea,mito, xerostomia, alteração
do paladar, epigastralgia.
SMEtremores, câimbras, fraqueza.

Terbutalina
SNC



sonolência, insônia, cefaleia,
nervosismo, convulsão, tontura, ansiedade,
zumbido.
SCV palpitação, taquicardia, hipertensão,
arritmias, prolongamento do intervalo QT.
igidez torácica, dispneia,
broncoespasmo, faringite, garganta seca.
naúsea, vômito, disgeusia.
SME

-

tremores

-

Aumento da toxidade do
Terbutalina
:

Simpatomiméticos, metildopa, inibidores da
MAO e antidepressivos tricíclicos.

Diminuição do efeito broncodilatador:
Betabloqueadores
Aminofilina

SNC

-

insônia, cefaleia, convulsão, tontura,
ansiedade, agitação.
SCVpalpitação, taquicardiasinusal,
hipotensão.
náusea, vômito, anorexia, diarreia,
gosto amargo, dispepsia, irritação anal,
epigastralgia.

-

Aumento da toxidade da Aminofilina
:

Álcool, alpurinol,betabloqueadores,
betabloqueadores dos canais de cálcio,
cimetidina, ciprofloxacino, claritromicina,
corticoides, diuréticos de alça, efedrina,
isoniazida, metotrexato, contraceptivos
orais, tiabendazol, tacrina, hormônio
tireodianos, verapamil.

Diminuição do efeito da Aminofilina
Carbamazepina, cetoconazol,
isoproterenol, fenobarbital, fenitoína,
rifampicina, ritonavir, simpatomiméticos.

Ipratrópio

SNC
-

insônia, cefaleia, convulsão, t
ontura,
ansiedade, nervosismo, sonolência, visão
borrada.
SCV palpitação, taquicardia, hipertensão,
hipotensão, fibrilação atrial, angioedema.
SR broncoespasmo, ressecamento, tosse,
piora dos sintomas de broncoespasmo,
reação de hipersensibilidade, rouquidão,
laringoespasmo.
SD náusea, vômito, constipação, cólica,
xerostomia
.

Diminuição da toxidade do ipratrópio:

Medicamentos com efeitos anticolinérgicos
e outros com propriedadeanticolinérgica.
SNC: Sistema Nervoso Central ;SCV: Sistema Cardiovascular ; SR:Sistema Respiratório ; : Sistema Digestório ; SME:Sistema Musculo Esquelético6.2 Cuidados de Enfermagem na Administração dos BroncodilatadoresObservar o estado mentalMonitorar a função respiratóriaObservar a quantidade e a coloração dasecreção pulmonarVerificar pressão arterial, e frequência cardíacaVerificar sinais de reações alérgicasInterromper a administração do medicamento, caso ocorra broncoespasmo parodoxístico, e comunicar o médicoOrientaro paciente a enxaguar a boca após o uso inalatório de adrenalinaOrientar o paciente a evitar o uso de substâncias que contenham cafeína como chocolate, café, chá e refrigeranteDiluir a adrenalina em solução salina (3ml), quando utilizada na nebulizaçãoVerificar se o paciente é alérgico a beladona, atropina, lecitina de soja e amendoim, quando do uso do ipratrópio, pois poderá haver alergia a esse agente também

13

6.3 Cuidados adicionais necessários quando do uso da aminofilina são descritos abaixo:Monitorar o nível sérico do medicamento. Dose terapêutica muito próxima da dose tóxicaObservar sinais de toxidade, especialmente em idosos, como náusea, vômito, ansiedade, agitação, insônia, taquicardia, disritmia, convulsõesChecar ECG, se ocorrer taquicardiaObservar reações alérgicas, exantema cutâneo ou urticária; se esses sintomas ocorrerem, suspender o medicamentoConfirmar se o paciente não recebeu aminofilina previamente, para não causar efeito aditivo.7. Sedativos e HipnóticosOs hipnóticossedativos produzem depressão do SNC, em grausvariados, que podem resultar em sedação, hipnose, anestesia e coma, dependendo da dose, via de administração e sensibilidade do paciente.Estes agentes são amplamente prescritos com o objetivo de controlar estados confusionais agudos; induzir, facilitar e manter o sono; facilitar a intubação, a realização de procedimentos invasivos e a ventilação mecânica. Além disso, ajudam no alívio do medo e da ansiedade do paciente, bloqueando a resposta fisiológica ao estresse.As classes terapêuticas mais utilizadas são os benzodiazepínicos, os neurolépticos e os analgésicos opióides.7.1 BenzodiazepínicosOs efeitosdos benzodiazepínicos resultam das ações no SNC. Todos os representantes, em maior ou menor grau, tem a capacidade de reduzir ansiedade, causar sedação, hipnose e relaxamento muscular. O clonazepan, o clorazepato e o diazepan possuem propriedade anticonvulsivante. São considerados medicamentos com boa margem de segurança, pois, mesmo em altas doses, raramente são fatais, a monos que sejam associados a outros depressores do SNC.O emprego dos benzodiazepínicos está tradicionalmente ligado ao controle da resposta emocional (medo, ansiedade) relacionada com a dor. São úteis, também, no combate à insônia e à contração muscular, que acompanha a sensação dolorosa, bem como na redução do estresse do paciente, o qual se beneficia de seu efeito amnésico, em procedimentos médicos estressantes.As precauções relativas ao uso desta classe farmacológica incluem pacientes com doença respiratória obstrutiva, idosos e aqueles que fazem uso de outros depressores do SNC.Os sintomas de abstinência dos benzodiazepínicos são: ansiedade, agitação, irritabilidade, depressão, insônia, cefaleia,tontura, anorexia, fraque, fotofobia, diarreia, náuseas e vômitos. Esses sintomas podem surgir até uma semana após a suspensão do medicamento, devido à atividade farmacológica de alguns metabólitos. Em caso de intoxicação causada por benzodiazepínico, utilizase o flumazenil como antagonista específico. 7.2 Neurolépicos
Os fármacos neurolépticos (também chamados fármacos antiesquizofrênicas, fármacos
antipsicóticos ou tranquilizantes maiores) são usados primariamente no tratamento da esquizofrenia,
mas são também eficazes, emoutros estados psicóticos, como os de mania e delírio. Os fármacos
neurolépticos clássicos são inibidores competitivos de uma variedade de receptores, mas seus efeitos
antipsicóticos refletem o bloqueio competitivo dos receptores dopaminérgicos.


14

A cautela no que concerne ao uso dos neurolépticos inclui pacientes com doenças cardiovasculares, hepáticas, renais, respiratórias crônicas, especialmente crianças e idosos, e história de crises convulsivas.7.3 Reações Adversas e interações Medicamentosas dos Sedativos e Hipnóticos
Hipnóticos e

Sedatívos

Reações Adversas por Sistemas
Interações Medicamentosas
Prometazina
SNC:
sedação, sonolência, confusão,
tontura, fadiga, agitação (paradoxal), reação
extrapiramidal, zumbido, alucinações,
insônia, convulsão,estado catatônico.
SCV: quicardia, bradicardia, palpitação,
angioedema, hipertensão, hipotensão.
SR: espessamento da secreção brônquica,
faringite, depressão respiratória e apnéia
(especialmente em crianças).
SD: náusea, vômito, xerostomia, dor
abdominal, constipação, aumento do apetite.
SGU: retenção urinária em pacientes com
obstrução do fluxo urinário, diminuição do
fluxo sanguíneo renal.
SME: tremor, fraqueza, artralgia, parestesia,
mialgia.
Aumenta a toxidade da prometazina:

Atropina, álccol,analgésicos opióides,
sertralina, desipramina, clorpromazina,
fluoxetina, quinidina, ritonavir,
propranolol.
Diminui o efeito da prometazina:
Carbamazepina, fenobarbital,
fenitoína, levodopa(por ter ação
antiparkisoniana inibida pela
prometazina).
Adrenalina: pode ter a ação
vasopressora revertida pela
prometazina.

Clorpromazina
SNC:
sedação, sonolência, agitação,
ansiedade, síndrome extrapiramidal, sinais
de pseudoparkisonismo, discinesia tardia,
síndrome neuroléptica maligna, convulsão e
alteração da regulação da temperatura.
SCVhipotensão (principalmente infusão IV),
hipotensão ortostática, hipertensão,
taquicardia, arritmias.
SR:laringoespasmo, dispneia, depressão
respiratória.
SD: constipação, desconforto TGI, náusea,
vômito, anorexia, xerostomia
SGU:impotência, retenção urinária.
SH:agranulocitose, anemia, leucopenia,
eosinofilia, trombocitopenia, anemia
hemolítica.

Aumenta a toxidade da
clorpromazina:
Propranolol, antidepressivos IRS,
analgésicos opióides, álcool,
barbitúricos, antihistamínicos.
Aumenta a toxidade dos seguintes
agentes:
Anfetaminas, betabloqueadores
cardiosseletivos, lidocaína,
antidepressivos tricíclicos,
anticolinérgicos, antihipertensivos,
lítio, ácido valpróico.
Diminui o efeito da clorpromazina:
Antiácidos a base de alumíni
magnésio, codeína, oxicodona,
tamadol.Haloperidol
SNC:
síndrome extrapiramidal, acatisia,
distonia, pseudoparkisonismo, síndrome
Aumento da toxidade do
haloperidol:

15

neuroléptica maligna, sonolência, agitação,
euforia, insônia, confusão, cefaleia, letargia,
vertigem, convulsão, depressão, hiperpirexia,
exacerbação dos sintomas psicóticos.
SCV:taquicardia, hipotensão, hipotensão
ortostática, hipertensão, alterações no ECG
(prolongamento no intervalo QT).
SR:broncoespasmo, laringoespasmo,
aumento da profundidade da respiração.
SD:constipação, náusea, vômito, dispepsia,
icterícia, hepatite, hipersalivação,
xerostomia, obstrução intestinal.
SGU:retenção urinária, enurese, priapismo.
SH:leucopenia, leucocitose, anemia.
Antifúngicos azólicos, clorprom
azina,
ciprofloxacin, claritromicina,
diclofenaco, fluoxetina, propranolol,
quinidina, verapamil.
Aumenta o efeito dos seguintes
agentes:
Anfetaminas, betabloqueadores
cardiossedativos, bloqueadores de
canais de cálcio, ciclosporina,
fluoxetina, lidocaína,sildenafil,
antidepressivos tricíclicos, álcool,
analgésicos opióides, sedativos
hipnóticos, antihipertensivos.
Diminui os efeitos do haloperidol
Carbamazepina, fenobarbital,
rifampicina, tabagismo.
Diminui os efeitos dos seguintes
agentes:
Codeína, oxicodona, tramadol.
Diazepa
SNC:

sonolência, sedação, lassidão,
amnésia, cefaleia, vertigem, redução da
velocidade de raciocínio, cofusão, ataxia,
tolerância, dependência física e psíquica.
SCV:hipotensão
SGI:náusea, constipação.
Aumenta a toxidade dos

seguintes
agentes:
Barbitúricos, analgésicos opióides,
IMAO, fenotiazinas, álcool, anti
histamínicos, sedativos hipnóticos,
antidepressivos.
Aumenta a toxidade do diazepam:
Omeprazol, ticlopidina, antifúngicos
azólicos, ciprofloxacin, claritromicina,
diclofenaco, propofol, quinidina,
verapamil.
Diminui os efeitos do diazepam:
Carbamazepina, fenitoína,
fenobarbital, erifampicina.
Midazolam
SNC:
sonolência, cefaleia, nistagmo,
vertigem, tolerância, dependência física e
psíquica.
SCV: hipotensão
SGI: náusea,vômito.

Aumenta a toxidade do midazolam:

Antifúngico azólicos, ciprofloxacin,
claritromicina, diclofenaco, propofol,
quinidina, verapamil.
Diminui os efeitos do midazolan:
Carbamazepina, fenitoína,
fenobarbital, erifampicina.
IRSS Inibidores seletivosde receptação de serotonina IMAO Inibidor da monoaminooxidase.

16

7.4 Cuidados de Enfermagem na Administração de Sedativos e HipnóticosObservar o estado mentalAvaliar PA, FR, FC antes do tratamento e a cada 4 horas durante o início do tratamentoObservar sinais frequentes como síncope, tontura, palpitação, taquicardia e hipotensãoOrtostáticaAvaliar sinais da síndrome extrapiramidal e da síndrome neuroléptica maligna Verificar débito urinário. Observar presença de bexigomaObservar eliminação intestinalEvitar a infusão simultânea da prometazina com os seguintes agentes: aminofilina, anfotericina B, ampicilina, cloranfenicol, clorotiazida, meticilina, penicilina G, fenobarbitalEvitar a infusão simultânea do haloperidol com os seguintes agentes: fluconazol, foscarnet, heparinaOrientar o paciente e os familiares sobre evitar atividades que envolvam atenção (dirigir, operar máquinas)8. Drogas VasoativasIntrodução:O conhecimento referente aos efeitos desejáveis e adversos das drogas vasoativas é fundamental para a equipe de enfermagem que atua em setores nos quais esses fármacos costumam ser utilizados. Salientase seu uso em casos de adequação do equilíbrio hemodinâmico, de reposição volêmica e da correção de distúrbios hidroeletrolíticos e acidobásicos. As rápidas e potentes ações destas drogas determinam mudanças importantes em padrões hemodinâmicos e respiratórios, tornandose necessária a utilização de monitorização contínua para aferir essas alterações. A equipe de enfermagem deverá, portanto, conhecer as principais drogas utilizadas, de modo a contribuir com a equipe de saúde na busca das condições ideais para cada paciente e ou na suspensão de seu uso.O termo drogas vasoativas é empregado às substâncias queapresentamefeitos vasculares periféricos, pulmonares ou cardíacos, direto ou indiretamente, atuando em pequenas doses e com respostas dosedependentes de efeito rápido e curto, através de receptores situados no endotélio vascular(Dopaminérgicos, Beta 1,Beta 2, Alfa 1 e Alfa 2)8.1 Classificação das Drogas VasoativasDrogas SimpatomiméticasAs catecolaminas (noradrenalina, dopamina e dobutamina) são os agentes simpatomiméticos mais utilizados em situações de emergência. Os efeitos das catecolaminas variam de acordo com a dose utilizada, podendo estimular receptores alfa, beta e dopa. Portanto, essas drogas são classificadas alfaadrenérgica, betaadrenérgica e dopaminérgica ou mista, de acordo com o predomínio de receptores sensibilizados. Principais Catecolaminas e seus efeitos nos receptores adrenérgicos
Catecolaminas
Receptores

Dopa

Beta
-
1

Beta
-
2

Alfa
-
1

Alfa
-
2

Noradrenalina

__

+++

+

+++

+++

Dopamina

+++

++/+++

++

+++

+

Dobutamina

__

+++

+

-
/+

__

/ + ou + = estimulação relativa =ausência de estimulação

17

8.2 DopaminaMecanismo de ação: é inativada no meio gástrico, portanto só pode ser utilizada por via endovenosa em administração contínua. Apresenta início e cessação de seus efeitos praticamente imediatos, sua meiavidaé de 2 minutos. Os metabólicos são eliminados por via renalIndicações: para pacientes com disfunção miocárdica e baixo débito cardíaco. Também é indicada em situações nos quais os parâmetros hemodinâmicos estejam estáveis, porém com oligúria persistente (efeito dopaminérgico). É utilizada nos casos de bradicardia sintomática (após o uso de atropina sem sucesso), no bloqueio atrioventricular de segundo grau tipo II ou terceiro grau que não responde ao tratamento com marcapasso transvenoso, no tratamento de choque (IAM, cirurgia cardíaca, ICC descompensada e insuficiência renal) persistente depois de reposição volêmica e nos casos de hipotensão [pressão arterial sistólica (PAS) inferior ou igual a 70 a 100 mmhg] com sinais e sintomas de choque.Dose:diluição padrão é de cinco ampolas de dopamina em 200 ml de solução (soro glicosado, fisiológico a 0,9%, ringer simples ou lactato). A dopamina é disponível na forma de cloridrato de dopamina em ampolas de 50 a 200 mg da droga. Deve ser usada sempre diluída e a dose administrada de acordo com o efeito desejado e indicado para cada paciente.Cuidados:Conhecer a ação farmacológica relacionada com a doseNão deve ser diluída com solução alcalina (bicarbonato de sódio);Deve ser utilizada somente para uso endovenoso, preferencialmente via central;Caso seja instalada em via periférica, atentar para que não haja extravasamento tissular, porque poderá provocar intensa vasoconstrição local com necrose tecidual;Diminuir o gotejamento lentamente até a suspensãodo fármaco;Utilizar sempre a droga em bomba de infusão;Pode ser usada em pacientes hipovolêmicos , porém somente após a reposição de volume;Controle rigoroso de parâmetros hemodinâmicos e circulatórios.Efeitos Colaterais:náuseas, vômitos, arritmias supraventriculares e ventriculares, hipotensão arterial sistêmica, cefaleia e dispneia.8.3 DobutaminaMecanismo de ação: atua sobre o débito cardíaco, com resposta hemodinâmica dosedependente. Tem pouca ação na pressão arterial, no fluxo renal e coronário. Esta droga está associada ao aumento da incidência de arritmia ventricular e mortalidade. Age predominantemente sobre os receptores beta1, com pouco efeito nos receptores alfa, beta2 ou dopaminérgicos.O início de ação endovenosa é de 1 a 10 minutos, o seu pico de ação ocorre entre 10 e 20 minutos, com meiavida de 2 minutos. A excreção é renal, e o metabolismo, hepático.Indicação:pode ser usadaassociada à dopamina ou isoladamente em baixo débito, sem hipotensão. É a droga de escolha para aumentar a contratibilidade miocárdica, ou seja, melhorar a função ventricular e o desempenho cardíaco nos pacientes com ICC ou choque cardiogênico, por exemplo.Dose:o medicamento é disponível na forma de hidrocloridrato de dobutamina, em ampola de 20 ml com 250 mg da droga. Diluise uma ampola em 230 ml de solução (exceto solução alcalina). A concentração final será de 1 mg/ml. A dose pode variar de 2 a 4 mcg/kg/min.

18

Cuidados:Não infundir na mesma via endovenosaquando estiver recebendo furosemida, heparina penicilina;Não administrar com solução alcalina (bicarbonato de sódio);Conhecer a ação farmacológica relacionada com a dose;Deve ser utilizado em via periférica, atentarpara que não haja extravasamento tissular, porque poderá provocar intensa vasoconstrição local com necrose tecidual;Diminuir o gotejamento lentamente até a suspensão do fármaco;Utilizar a droga sempre em bomba de infusão;Pode ser usada em pacientes hipovolêmicos, porém somente após reposição de volume;Controle rigoroso de parâmetros hemodinâmicos e circulatórios.Efeitos colaterais:aumento da FC, elevação da PA, extras sístoles ventriculares, palpitação, febre, cefaleia, parestesia, náuseas, sudorese, flebite e dispneia.8.4 NoradrenalinaMecanismo de ação:é um potente vasoconstritor visceral e renal, tem ação vasoconstritora sobre a rede vascular (sistêmica e pulmonar). Dependendo da dose utilizada provoca aumento do volume sistólico, diminuição reflexa da frequência cardíacae importante vasoconstrição periférica (com elevaçãoda PA). Sua degradação é hepática, e a excreção renal. A ação endovenosa é rápida, com duração limitada.Indicação:na elevação da PA de pacientes sépticos, hipotensos e que não respondem à administração de volume e outras drogas vasoativas. É utilizadano pós operatório imediato de cirurgia cardíaca quando existe síndrome vasoplégica.Dose:habitualmente utilizase cinco ampolas (4 mg/ampola) diluídas em 250 ml de solução (soro glicosado ou fisiológico). A concentração final será de 1 mg/ml (4 ml). Iniciase com dose de 0,5 mcg/kg/min, podendo atingir até 30 mcg/min. Deve ser administrada por via endovenosa, central.Cuidados:Conhecera ação farmacológica relacionada com a dose;Não deve ser diluída com solução alcalina (bicarbonato de sódio);Deve ser utilizada somente para uso endovenoso, preferencialmente via central;Caso seja instalada em via periférica, atentar para que não haja extravasamento tissular, porque poderá provocar intensa vasoconstrição local com necrose tecidual;Diminuir o gotejamento lentamente até a suspensão do fármaco;Utilizar sempre a droga em bomba de infusão;Pode ser usada em paciente hipovolêmico, porém somente após a reposição de volume;Controle rigoroso de parâmetros hemodinâmicos e circulatórios;Preferencialmente, não deve ser usada em veia periférica, devido ao risco elevado de necrose tecidual;A infusão deve ser efetuada em veiade grosso calibre e o sítio de inserção deve ser avaliado constantemente, evitandose extravasamento da droga;Se ocorrer extravasamento, dese infiltrar a área com 5 a 10 mg de fentalamina em 10 a 15 ml de soro fisiológico;Devese evitar a administração desta droga em grávidas, devido ao efeito contrátil sobre o útero gravídico;Utilizar sempre a infusão do medicamento em bomba de infusão;Não deve ser usado em paciente com hipovolemia e arteriopatia periférica, mesentérica ou cerebral.

19

Efeito Colaterais:tremores, ansiedade, náuseas, hemorragiascerebral, aumento do consumo de O2, insuficiência renal, isquemia de extremidades ou visceral,aumento da resistência vascular pulmonar, bradicardia reflexa em doses elevadas, cefaleia, arritmia, necrose de pele (quando houver extravasamento) e dispneia.9. Drogas Vasodilatadoras A falência circulatória aguda possui várias etiologias, porém os mecanismos determinantes são:Diminuição do volume circulante;Diminuição do débito cardíaco;Diminuição da resistência periférica. O uso de drogas vasodilatadoras é útil nos casos em que a reposição volêmica adequada e a otimização do débito cardíaco com as drogas inotrópicas não revertem a condição de baixo débito. Os vasodilatadores podem ser classificados de acordo com o seu sítio de ação em vasodilatadores (nitratos e nitroglicerina), arteriodilatadores (hidralazina) e de ação mista (nitroprussiato de sódio). O vasodilatador mais usado em emergências clínicas é o nitroprussiato de sódio.9.1 Nitroprussiato de Sódio:Mecanismo de ação:esse medicamento é metabolizado pelas células do músculoliso e libera óxido nítrico que é responsável pela vasodilatação das arteríolas (diminuição da resistência vascular sistêmica) e das vênulas (diminuição do retorno venoso, do débito cardíaco e da fração de ejeção do ventrículo esquerdo).O fármaco não exerce efeito no centro vasomotor, nos nervos simpáticos ou nos receptores adrenérgicos.O início de ação manifesta após 30 segundos e o pico ocorre em torno de 2 minutos. Quando a administração da droga é interrompida, o efeito hipotensor desaparece em 3 minutos. Este fármaco não é absorvido pelo trato gastrintestinal, portanto só é administrado via endovenosa e depende da metabolização renal e hepática.Indicações:é utilizado no tratamento de emergências hipertensivas, em situações que seja necessário reduzir a pré e pós carga (aneurisma dissecante de aorta, aumento do débito cardíaco na insuficiência cardíaca congestiva e na diminuição da demanda de O2 no pós Infarto Agudo do Miocardio). É usada também para induzir hipotensão controlada durante a anestesia e para reduzir sangramento emprocedimentos cirúrgicos.Dose:o nipride é disponível em ampolas de 50 mg que devem ser diluídas em solução (soro glicosado ou fisiológico), fornecendo uma concentração de 50 a 200 mg/ml. Efeitos Colaterais:as intoxicações pelo cianeto provoca bloqueio da respiração aeróbica, propiciando acidose metabólica de ocorrência rara. Já os sinais de intoxicação pelo tiocianato são:náuseas, fraqueza, confusão mental, espasmos musculares, cefaleia, diarreia, taquicardia e psicose.Cuidados:Até a estabilização do quadro, ou seja, a manutenção da PA em valores desejáveis, deve haver uma monitorização contínua do paciente;Retirar a droga do paciente na forma de desmame, observando as alterações da PA;Uso de equipo fotossensível;Pode ser utilizada em mulheresgrávidas, embora atravesse a barreira transplacentária, não sendo a primeira droga de escolha;A droga deve ser usada com cautela em pacientes com hepatopatias e nefropatias;Devese limitar o uso contínuo de nipride, preferencialmente não mantêlo por mais de três dias consecutivos;É contraindicado em pacientes com isquemia coronariana aguda;

20

Devese usar bomba de infusão continuamente.9.2 NitroglicerinaMecanismo de ação: atua no sistema nervoso, diminui a précarga do coração, podendo ocasionar hipotensão e taquicardia reflexa. A ação ocorre de 2 a 5 minutos após o início da infusão e sua eliminação é renal.Indicação: situações de emergências hipertensivas, nas síndromes coronárias agudas, na hipertensão pulmonar, a ICC pós IAM e no edema agudo de pulmão. Dose: a dose por via endovenosa pode ser de 5 a 200 mcg/min., podendo aumentar a cada 5 minutos. O nitrato tem várias apresentações, ou seja, oral, sublingual, endovenosa, transdérmica. A via endovenosa é a mais segura, devido ao seu efeito sustentado e de fácil controle.Cuidados:Conhecer a ação farmacológica relacionada com a dose;Não deve ser diluída com solução alcalina (bicarbonato de sódio);Deve ser utilizada somente para uso endovenoso, preferencialmente via central;Caso seja instalada em via periférica, atentar para que não haja extravasamento tissular, porque poderá provocar intensa vasoconstrição local com necrose tecidual;Diminuir lentamente o gotejamento até a suspensão do fármaco;Utilizar sempre a droga em bomba de infusão;Pode ser usada em pacientes hipovolêmicos, porém somente após a reposição volêmica;Controle rigoroso de parâmetros hemodinâmicos e circulatórios;A infusão deve ser efetuada em veia de grosso calibre e o sítio de inserção deve ser avaliado constantemente, evitse o extravasamento da droga;A suspensão da droga deve ser gradual, devido à possibilidade de dependência, quando utilizada em doses elevadas por longo período. Efeitos colaterais:hipotensão postural, rubor facial, taquicardia, choque, edema periférico, cefaleia, náuseas, vômito, fraqueza mscular e visão borrada.Contraindicação: uso de sedenafil nas últimas 24 horas, trauma na cabeça, hemorragia cerebral, anemia grave, glaucoma e hipotensão importante.9.3 Ação de Enfermagem frente ás Drogas VasoativasObservação rigorosa do nível de consciência: devido alteração gasométricas e de perfusão tissular cerebral, o nível de consciência poderá alterarse, assim como os sinais de percepção.Observação rigorosa dos parâmetros hemodinâmicos: as drogas vasoativas começam agir no organismo quase que imediatamente após a sua instalação, desse modo, é primordial que o enfermeiro permaneça ao lado do paciente até a estabilização do quadro, uma vez que cada paciente poderá reagir de maneira diferente a cada droga.Controle rigoroso de parâmetros respiratório: observar a saturação de O2, que poderá ser alterada em virtude do quadro inicial, assim como as pioras que poderão ocorrer;Observação rigorosa de perfusão tissular periférica: alterações de perfusão poderão indicar deteriorização do quadro clínico e devem ser corrigidas imediatamente;Controlar o débito urinário: devido algumas drogas agirem diretamente na função renal.10. Emergências Hipertensivas O paciente em crise hipertensiva deve ser avaliado rapidamente para a seleção apropriada da droga ou das drogas antihipertensivas. Em geral, não se deve distinguir entre as duas situações, baseado unicamente nos níveis pressóricos, e sim na ameaça à vida do paciente.

21

Nas emergências hipertensivas, o tratamento deve ser iniciado antes da obtenção do ECG. Exames subsidiários básicos, bem como raio X de tórax ou tomografia de crânio, podem ser realizados posteriormente se não existirem evidencias clínicas de comprometimento cerebral. 10.1 Principais drogas utilizadas nas crises hipertensivasNitroprussiato de sódio:é um potente vasodilatador tanto arterial quanto venoso, diminuindo a pré e a póscargaBloqueadores de canais de cálcio:a nicardipine, diferentemente de outros bloqueadores de canais de cálcio, tem um bom desempenho nas crises hipertensivas. Reduz a isquemia tanto cerebral quanto cardíaca, e é uma droga de escolha na hipertensão pósoperatória.Bloqueadores adrenérgicos:o labetalol é um bloqueador alfa e beta, que, utilizado na forma intravenosa, produz redução dos níveis pressóricos. A rápida que da pressão arterial resulta em queda da resistência vascular cerebral e pequena queda do débito cardíaco.Diazóxido(Tensuril)age relaxando a musculatura lisa arteriolar.Clonidina (Atensina): é uma medicação largamente utilizada nas urgências hipertensivas, pois diminui menos acentuadamente os níveis pressóricos. É de excelente escolha quando a pressãoarterial deve ser reduzida não rapidamente.
Inibidores da ECA (Enzima Conversora da Angiotensina)o Captopril sublingual pode ser
uma opção efetiva em pacientes com urgência hipertensiva. Os efeitos ocorrem em 5 minutos e
persistem por 4 horas; os efeitos colaterais são desprezíveis.
10.2 Ações de Enfermagem Aqui estão pontuadas as ações de enfermagem, possíveis e realistas, a serem mantidas junto ao paciente com HAS grave em um pronto socorro, até a sua alta ou encaminhamento para uma unidade de pacientes críticos ou semicríticos, nas quais um outro dimensionamento de cuidados poderáser adotado.Observação do nível de consciência: desmaio, vertigem, sonolência, orientação, resposta verbal, motora e sensitiva, distúrbios visuais.Monitorização hemodinâmica: frequência e ritmos cardíacos, PA.Monitorização do padrão respiratório: frequência, ritmo, esforço, cianose, tosse e sons adventícios.Monitorização da perfusão periférica: coloração da pele, temperatura, enchimento capilar, cianose e rubor.Observação de queixas álgicas: intensidade, localização, qualidade sensitiva, início, alterações neurovegetativas e fatores predisponentes.Observação do padrão de eliminações: vesicais quanto à quantidade, cor, odor, história de uso de diuréticos, edema, glicosúria, infecção, história de doença renal.11. Síndrome Coronariana Aguda11.1 Drogasutilizadas no atendimento inicial da SCA A intervenção farmacológica no atendimento inicial visa a, principalmente, diminuir o consumo de oxigênio pelo miocárdio e retardar o processo aterosclerótico de obstrução coronariana.Morfinadministração:solução decimalEfeito: combate a dor, ajuda na diminuição do tônus adrenérgico e, consequentemente, reduz o consumo de oxigênio.Cuidados: possíveis complicações associadas a altas doses de morfina, como, por exemplo, depressão respiratória.

22

Oxigêniodministração: Cateter de oxigênio de 2 a 3 l/min.Efeito: aumenta a oferta de oxigênio ao paciente, reduzindo a área de isquemia e causando venodilatação dos campos pulmonares aumentando a oferta de O2 ao miocárdio. NitratoAdministração: comprimido sublingual, spray e endovenosoEfeitos: efeitos hemodinâmicos mais significativos incluem redução da précarga, redução da tensão na parede ventricular, redução da póscarga, diminuindo o consumo de O2, além de vasodilatação das artérias epicárdicas, redistribuindo o fluxo coronariano e aumentando a oferta de O2 ao miocárdio. Cuidados: no caso de síndrome coronariana com acometimento de ventrículo direito, seu uso pode levar à hipotensão e a choque cardiogênico. AspirinaAdministração: via oral 160 a 325 mg.Efeitos: atua no impedimento da agregação plaquetária reduzindo a progressão do evento trombótico.Cuidados: reação de hipersensibilidade à droga.Betabloqueador MetoprololAdministração: 5 mg EV lentamente, podendo repetir a cada 5 minutos.Efeitos: resulta na diminuição do consumo de O2 pelo miocárdio devido à redução da frequência cardíaca. Uso obrigatório em todas as SCA.Cuidados: possíveis efeitos colaterais em pacientes com doenças pulmonares.12. Terapêutica Trombolítica Atualmente as opçõesdisponíveis de trombolíticos ou fibrinolíticos para uso no Brasil são: estreptoquinase (SK), alteplase (tPA) e tenecteplase (TNK). estreptoquinaseé uma proteína extraída de cultura de estreptococos que ativa o plasminogênio. Ainda é a maisutilizada em nosso meio devido ao seu menor custo em relação aos outros trombolíticos e maior disponibilidade, a despeito de estudos mostrarem maior redução de mortalidade com tPA. alteplasede cadeia recombinante que ativa o plasminogênio ligado a fibrina, é considerada “seletiva ao coagulo” tenecteplase, ativador recombinante do plasminogênio específico para fibrina, é derivado da tPa humana por meio de modificações genéticas. O tenecteplase ligase a fibrina componente do trombo e seletivamente converte o plasminogênio para plasmina, da qual degrada a matriz de fibrina do trombo.Uso do TrombolíticoDor torácica sugestiva de IAM menor que 12 horas; supra de ST igual ou superior a 1mm em igual ou superior a duas derivações contíguas; BRE novo ou supostamente novo; sem limite de idade.ContraindicaçabsolutaAVC hemorrágico, outros eventos cerebrais há menos de um ano, neoplasia intracraniana, sangramento interno ativo (exceto menstruação), suspeita de dissecção de aorta.Contraindicações relativasHAS maior que 180x110 mmHg e não controlável, outras patologias cerebrais, uso atual de anticoagulante, trauma recente (duas a quatro semanas), RCP prolongada (maior que 10 minutos) e traumática, cirurgia de grande porte (menor que três semanas), punção vascular não compressível,

23

sangramento interno recente (menos que duas a quatro semana), estreptoquinase nos últimos dois anos, gravidez, úlcera péptica ativa, história de HAS grave.12.1 Comparação entre os Trombolíticos

Estreptoquinase

Alt
eplase

Tenecteplase

Dose
1.500.000 unidades em 1
hora
15 mg EV bolus, após
0,75 mg/kg até 50 mg em
30 minutos
Peso ajustado, in bolus
em 5 minutos: 30 mg
menor 60kg), 35 mg (60 a
70 kg), 40 mg (70 a 80
kg), 45 mg (80 a 90 kg) 50
mg (maior que 90 kg)
Administração
60 minutos de infusão

In bolus + 90 minutos de
infusão
Dose/peso/ajustado e
bolus
Meia
-
vida

25 minutos

60 minutos

22 minutos

Fibrino específico

0

++

+++

Heparina coadjuvante

__

EV

EV

Custo

Menor que +

+++

+++

Observação:todos os trombolíticos devem ser preparados e administrados, obrigatoriamente, pelo enfermeiro.13. Medicamentos mais usados na Parada CardiorrespiratóriaAdrenalinaé o medicamento fundamental no tratamento da parada cardiorrespiratória. Aumenta a pressão de perfusão coronariana e cerebral. Produz bronco dilatação, vasoconstrição, controla a frequência cardíaca e pressão arterial, por ter afinidade com os receptores beta adrenérgicos cardíacos e pulmonares. A dose recomendada é de 1 mg EV em bolus a cada 3 a 5 minutos.Atropinaé um agente parassimpático que reduz o tônus vagal, aumenta a frequência do nó sinusal e facilita a condução AV, ou seja, melhora a condução dos impulsos elétricos no miocárdio e, consequentemente, o batimento cardíaco. Indicado em bradicardia sinusal. A dose recomendada em assistolia é de 1 mg EV e, bolus, de 3 a 5 minutos até 0,4 mg/kg de peso.Vasopressina:tem ação vasoconstritora não adrenérgica. Atua sobre os receptores do músculo liso. Administrado em dose única, pois tem uma meiavida longa, de 10 a 20 minutos e não há evidências de que uma segunda dose seja efetiva.Lidocaína: bloqueia reversivelmente a propagação dos impulsos ao longo das fibras nervosas. Pode ter efeito similar nas membranas excitáveis do cérebro e do miocárdio. Dose de1 a 1,5 mg/kg EV em bolus, repetindo a dose a cada 3 a 5 minutos até 3mg/kg.Amiodarona: pesquisas afirmam que os pacientes apresentam uma boa resposta na utilização deste medicamento. Tem efeito betabloqueador discreto. Administrado em bolus de 300 mg. epois é necessário que se faça manutenção para desmame da droga, administrando 1 mg/min nas primeiras 6 horas e 0,5 mg/kgnas próximas 24 horas. A dose máxima tolerada é de 2 gr. nas 24 horas.14. Analgésicos Opióides Os principais efeitos farmacológicos dos Analgésicos Opióides (AO) ocorrem no SNC em outros sistemas orgânicos como o cardiovascular, o musculoesquelético, o TGI, o geniturinário e o

24

imunológico. A ocorrência desses efeitos, especialmente no SNC, depende da região afetada do cérebro e da medula espinhal, bem como da função fisiológica dessas áreas. Alguns efeitos, como, por exemplo, a sedação e a analgesia, fazem dos AO fármacos indispensáveis na área de emergência. Todavia, outros, como a depressão respiratória, impedem que esta classe seja amplamente utilizada como estratégia terapêutica, tendo em vista que há por parte dos profissionais (médicos e equipe de enfermagem) receio na sua administração. Abaixo quadro das reações comuns dos analgésicos opióides.Sistemas OrgânicosAlvos das Reações Adversas dos Opióides
Sistema Orgânico

Reações Adversas

Nervoso Central
Sonolência, letargia, euforia, alucinação, convulsão, dificuldade de
concentração, depressão respiratória, náusea, vômito, alteração hormaonal.
Cardiovascular

Hipotens
ão

Musculoesquelético

Rigidez mescular

Gastrintestinal
Constipação intestinal, empachamento gástrico predispondo a ocorrência de
náusea e vômito, espasmo do esfíncter de Oddi.
Genitourinário

Retnção urinária

Tegumentar

Prurido e exantema cutâneo.

nalgésicos Opiódes disponíveis no mercado nacional.
Analgésico

Opióide

Via de Administração

Duração da Analgesia

Potencial de Abuso e
Dependência

Alfentanil

IV / EP

10 a 30 minutos

alto

Buprenorfina

SL / IM / IV / EP

4 a 8 horas

Baixo

Cideína

VO

3 a 8

horas

Médio

Fentanil

IV / EP / TD

1 a 1,5 horas

Alto

Meperidina

IM / SC / IV / EP

2 a 4 horas

Alto

Metadona

VO / IM / SC

4 A 6 horas

Alto

Morfina

VO / SC / IM / IV / EP

4 a 5 horas

Alto

Nalbufina

IV / IM / SC / EP

3 a 6 horas

Baixo

Nalorfina

IV /

IM--------------

Baixo

Naloxona

IV / IM / SC

1 a 4 horas

Baixo

Oxicodona

VO

3 a 4 horas

Médio

Propoxifeno

VO

4 a 5 horas

Baixo

Sufentanil

IM / IV / EP

1 a 1,5 horas

Alto

Tramadol

VO / IM / IV / EP

4 a 6 horas

Baixo

VO = via oral; SL= sublingual; IM =intramuscular; IV = intravenosa; EP = epidural; TD = transdérmica; SC = subcutânea14.1 Condições clínicas que requerem cautela na administraçãoPaciente com elevação da pressão intracraniananos quadros de cefaleiacausada por hipertensão craniana, os AO são contra indicados, porque produzem vasodilatação. Embora a circulação cerebral em si não seja alterada por doses terapêuticas dos AO, a depressão respiratória que produzem, e consequentemente aumento de PCO2, podem provocar, como decorrência da vosodilatação central, aumento na pressão do líquido cefalorraquidiano.Pacientes com redução da função respiratória: doenças pulmonares obstrutivas, como crise de asma e enfisema pulmonar, devido ao risco de depressão respiratória grave.Paciente com hipotensão: a vasodilatação produzida pelo AO deve ser considerada nas condições de hipovolemia, pelo risco de agravar a já precária perfusão tecidual e levar o paciente ao choque. Para pacientes idosos que já apresentam hipotensão ortostática em

25

função, por exemplo, de outras terapias farmacológicas há risco de quedas, com possíveis fraturas.Pacientes com comprometimento das funções hepática e renal: o fígado é responsável pela degradação de 50% a 80% das doses de AO administradas por via oral, antes mesmo que estas atinjam a circulação sistêmica (efeito conhecido como primeira passagem). Alguns AO, em sua passagem pelo fígado, produzem metabólitos ativos, como, por exemplo, a normeperidina, que dependem de um funcionamento renal minimamente eficiente para sua eliminação renal. Desta forma, as condições clínicas mínimas de função desses órgãos devem ser consideradas antes da administração ou na manutenção do uso contínuo do AO.15. Drogas AntiarrítmicasOs antiarrítmicos são drogas complexas, com múltiplos mecanismos de ação. São classificados de acordo com seus efeitos sobre o sistema de condução elétrica do coração.Quando existe a suspeita de uma arritmia, o paciente muitas vezes é internado em uma unidade coronariana, sendo monitorado apropriadamente, a fim de permitir o acompanhamento dos efeitos dos antiarrítmicos infundidos, com o objetivo final de restaurar o ritmo sinusal e as funções cardíacas normais e prevenir a recorrência de arritmias com risco de vida..1 Antiarrítmicos mais utilizados:Adenosinauma substância química natural encontrada em todas as células do organismo. Ela possui diversas funções fisiológicas, incluindo a transferência de energia, a promoção da liberação de prostaglandina, a inibição da agregação plaquetária, efeito antiadrenérgicos, vasodilatação coronariana e redução da frequência cardíaca.Indicação clínica
devido a seus fortes efeitos depressores sobre os nódulos SA e AV , a
adenosina é recomendada para o tratamento da taquicardia supraventricular, que envolve a condução no átrio e nos nódulos SA e AV. O principal efeito esperado é a conversão da taquicardia supraventricular em ritmo sinusal.
Dosagem e Administração:
com ampolas de 2 e 5 ml e dosagem de 3mg/ml, a adenosina é
administrada por via endovenosa em bolus rápido (ao longo de 1 a 2 segundos), seguida por infusão rápida de solução salina. Recomendase uma dose subsequente de 12 mg em bolus IV rápido se a dose inicial não for eficaz na restauração da frequência cardíacanormal. A dose de 12 mg pode ser repetida uma vez, se necessário.
Efeitos colaterais esperados:
os efeitos mais comuns da terapia incluem a hiperemia da face,
falta de ar, pressão torácica, náuseas e cefaleia e sensação de síncope. O tratamento de qualquer efeito colateral prolongado inclui a administração de oxigênio e, possivelmente, de outras drogas antiarrítmicas.

Hidrocloreto de Amiodarona
A amiodarona é um antiarrítmicoque atua no prolongamento do potencial de ação do tecido atrial e ventricular. Além disso, a amiodarona antagoniza os receptores alfa e betaadrenérgicos, causando vasodilatação sistêmica e coronariana.Indicação clínica:
utilizada no tratamento de taquiarritmias supraventriculares com risco de vida,
como fibrilação ventricular e miocardiopatia hipertrófica resistente às terapias atualmente disponíveis.


26

Bloqueadores BetaAdrenérgicos
Os bloqueadores betaadrenérgicos (acebutolol, esmolol, propranolol) são amplamente utilizados como antiarrítmicos. Estas drogas inibem a resposta cardíaca à estimulação simpática através do bloqueio dos receptores beta, o que resulta na redução da frequência cardíaca, da pressão arterial sistólica e do débito cardíaco. Indicação clínica:
Estas drogas são eficazes no tratamento de diversas arritmias ventriculares,
taquicardia sinusal, taquicardia atrial paroxística, extrassístolesventriculares e taquicardia associada flutter ou fibrilação atrial devido à redução da condução atrioventricular.

Tosilato de Bretílio
É um bloqueador adrenérgico, que inibe a liberação de noradrenalina, usado para a supressão de curto prazo de arritmias ventriculares com risco de vida, principalmente taquicardia e fibrilação, que não respondem a outras drogas antiarrítmicas. Esta droga não é um depressor cardíaco, portanto é particularmente útil em pacientes com fraca contratilidade miocárdica e baixo débito cardíaco. Indicação clínica:
fibrilação ventricularapós fracasso da cardioversão elétrica.

Lidocaína
A lidocaína se tornou uma das drogas mais utilizadas no tratamento de arritmias ventriculares, sendo a droga de escolha para o tratamento de arritmias ventriculares associadas a infarto do miocárdio, isquemia miocárdica e taquicardia ventricular.A lidocaína utilizada para tratar arritmias, é diferente daquela utilizada como anestésico local. Quando utilizar essa droga para tratar arritmias, verifique cuidadosamente o rótulo, para garantir que indique “lidocaína para arritmias cardíacas”. Podem ocorrer arritmias graves se for administrada lidocaína com conservantes ou com adrenalina por via intravenosa.
Hidrocloreto de Procainamida
A procainamida é um eficaz antiarrítmico sintético usado para tratar amplamente uma variedade de arritmias ventriculares e supraventriculares, fibrilação e flutter atrial. O principal resultado esperadoé a conversão de arritmias no ritmo sinusal normal.Os efeitos colaterais comuns esperados no início do tratamento por via intravenosa são: sonolência, sedação, tontura, hipotensão.

27Droga

Apresentação

Via de Admin.
/
Diluição

In
dicação

Observações

DOPAMINA
(CLORIDRATO)
Revivan
Solução
Ampola 2 ml 50 mg
25 mg/ml
Ampola
10 ml 50 mg
5 mg/ml

EV

Diluir 5 ampolas de 10 ml em 200
ml de SF 0,9% ou SG 5%.
Correr em B.I ou equipo
microgotas.
Droga
Hipertensora

Monitorar P.A.

Não infundir na mesma via que
bicarbonato de sódio.
Se infundido em veia periférica,
atentar para sinais de flebite e
necrose tissular.
Administrar em cateter venoso
central.

DOBUTAMINA
(CLORIDRATO)
Dobutrex
Dobuton®

Solução
Ampola
20 ml 250 mg
12,5 mg/ml
EV
Diluir 1ampola de 20 ml em
230 ml de SF 0,9% ou SG 5%.
Correr em B.I ou equipo
microgotas.

Cardiotônico não
digitálico.Monitorar P.A, F.C e ritmo
cardíaco.
Observar alterações na solução
(coloração rósea ou escura).
Não infundir na mesma via com
bicarbonato de sódio.
Se infundido em veia periférica,
atentar para sinais de flebite e
necrose tissular.
Administrar em cateter venoso
central.

NITROPRUSSIATO
DE SÓDIO
Nipride Liofilizado com diluente
próprio 2ml

Ampola 2 ml 50 mg

25 mg/ml
EV
Diluir 1 ampola (reconstituída) em
250 ml de SG 5%
Correr em B.I ou equipo
microgotas.
Potente vasodilatador.
Antihipertensivo
Reconstitua o medicamento
apenas com o diluente que o
acompanha
Não administrar o medicamento
diretamente com a seringa.
Proteger o frasco e equipo da luz.
Realizar controle contínuo da P.A.
Não se deve interromper
subitamente a infusão.28

Droga
Apresentação
Via de Admin.Diluição
Indicação

Observações

AMIODARONA
CLORIDRATO)
Ancoron
Atlansil®Solução
Ampola
3 ml 150 mg
50 mg/ml
EV

Diluir 3 a 4 ampolas em 150 a 250
ml de SG 5%
Correr em B.I ou equipo
microgotas.

Antiarrítmico
Não é aconselhado administrar em
bolus.
Observar hipotensão.
Pode ocorrer precipitação.

ESTREPTOQUINASE
Streptase
Streptokin®
Streptonase®Liofilizada
Frasco ampola
250.000 UI,
750.000 UI
1.500.000 UIEV
Diluir 1 ampola de 1.500.000 ou
750.000 ou 250.000 em 5 ml de
SF 0,9%.
Rediluir esta solução em 95 ml de
SF 0,9%.
Administrar de 30 a 60 minutos
em BI.
SC ou IMTrombolítico
desobstrução da rede
vascular.
Não agitar o frasco, homogeneizar
a solução com movimentos
circulares.
No IAM deve ser administrado o
mais breve possível:
(preferenciamente até 1h após o
aparecimento dos sintomas ou até
4h após o aparecimento dos
mesmos).
Monitorização de pressão arterial e
pulso.
Observar arritmias e PA.
Observar sinais de sangramento.
Administrar em acesso venoso
exclusivo periférico, MMSS. LIDOCAÍNA
(CLORIDRATO) 2% SEM
VASOCONTRITOR
Xylocaína Solução
Ampola 5 ml ou 20 ml
20 mg/mlrápido (em bolus) ou
contínuo.
ID, SC, IM
E.V Contínuo:
Diluir 50 ml ( 2 ampolas e meia
de 20 ml) em
200 ml de SG 5% ou
SF 0,9%.
Antiarrítmico
Monitorar F.C
Controle deE.C.G
Observar sinais de confusão
mental, torpor e coma. 29Droga
Apresentação
Via de Admin.Diluição
Indicação

Observações
BITARTARATO DE
NORADRENALINA/
NOREPINEFRINA
Levophed

Solução
Ampola 4 ml 4 mg
1 mg/ml

EV
Diluir 1 ampola em 250 ml de SG
5% ou SF 0,9%.
Correr em BI.
Colocar em equipo escuro
fotossensível.
Hipertensivo
Cardiotônico

Não administrar com sais de ferro e
agentes oxidantes.
Cuidado com extravasamentos,
pois pode ocorrer necrose tissular.
Administrar em cateter venoso
central.
Monitorar F.C.
Observar formação de precipitado
ou a alteração da cor da solução
(castanha, amarela escura ou
rosada ), desprezar.

DESLANÓSIDO
Cedilanide
Solução
Ampola 2 ml 0,4 mg
0,2 mg/ml
EV

Diluir 1 ampola de 2 ml em mais 3
ml de água destilada.
Diluir 1 ampola em 8 ml de água
destilada.
IM

Cardiotônico digitálico
Aumenta a
contratilidade cardíaca.
Alivia a sintomatologia
clínica da I.C.C
Monitorar antes da administração a
F.C abaixo de 60 btm NÃO
AZER.

MEPERIDINA

Dolantina

Solução
Ampola
2 ml 100 mg
50 mg/ml
Ampola
2 ml 50 mg
25 mg/ml
EV
Diluir 1 ampola em 8 ml de água
destilada.
Administrar 3 ml desta solução
conforme dor.
Rediluir em SF 0,9% ou SG 5%
para infusão contínua.
Analgésico
entorpecente

Observar sinais de depressão
respiratória e hipotensão.
Soluções mais concentradas
(acima de 10 mg/ml) podem ser
administradas conforme prescrição
médica.30
DIAZEPAM
Diazepan
Dienpax, Valium Solução
Ampola 2 ml10 mg
5 mg/ml
EV
NÃO DILUIR FAZER PURO E
LENTO.
IM
Ansiolítico,
Antiespasmódico.
Usado para Síndr de
abstnência alcoólica.

ANTÍDOTO
Flumazenil Lanexat

Precipita com água destilada

Administrado diretamente na veia.
Na injeção IM, administrar
profundo.
Administrar em veias calibrosas.
Monitorar a respiração de 5 a 15
min., por 2 horas.
Na administração rápida pode
ocorrer: depressão respiratória,
hipotensão e bradicardia.

Droga

Apresentação

Via de Admin.
/
Diluição

Indicação

Observaçõe
sHEPARINA SÓDICA
Liquemine
Solução
Ampola
0,25 ml 5.000 UI
Frasco ampola
5 ml 25.000 UI

EV

Diluir 0,2 ml 5.000UI em 9,8 ml
de água destilada.
Administrar E.V em bomba de
infusão.
SCAnticoagulante

Observar sangramentos.
ISOSSORBIDA
(MONONITRATO)
Monocordil

Solução
Ampola 1 ml 10 mg
10 mg/ml
Ampola 5 ml 50 mg
10 mg/mlEV
Diluir 3 ampolas de
10 mg em 250 ml de SF0,9% ou
SG 5%.
Administrar em BI ou equipo
migrogotas.Ação relaxante direta
sobre a musculatura
coronária e circulação
venosa.
Terapia de ataque e de
manutenção da Insuf. Coronária,
Angina de Esforço e Pós Infarto.
Monitorar P.A e Pulso.CLORIDRATO
VERAPAMIL
Dilacoron

Solução
Ampola 2 ml 5 mg
2,5 mg/ml
EV

Diluir 1 ampola ( 2ml ) em
8 ml de água destilada:
5mg em 10 ml /0,5 mg/ml

Vasodilatador
coronariano, hipotensor
e antiarrítmico.Observar hipotensão e bradicardia.
Controle de E.C.G.
31

EV contínuo:
Diluir em 150 a 250 ml de
SF 0,9% ou SG 5%

EPINEFRINA
Adrenalina
Solução
Ampola 1 ml 1 mg
1:1.000 U
EV

Não diluir no adulto.
Administração rápida (em bolus).
Repetir a cada 3 a 5 min.
ET , SC e IM
Aumenta a perfusão
durante a massagem
cardíaca.
Aumenta o estado
contrátil do miocárdio.
Estimula as contrações
espontâneas.

Não utilizar se tiver alteração da
cor ou presença de sedimentos.
Deteriora rapidamente, em contato
com luz e com o ar.
Proteger ao abrigo da luz.
Inibe a ação da insulina.
A via E.V é limitada ao estado de
choque.ATROPINA (SULFATO)
ropina
Solução
Ampola
1 ml 0,025%
0,25 mg/ml

EV

Não diluir no adulto e criança.
Administração rápida
(em bolus).
Repetir a cada 3 a 5 min. ET, SC
e IM

Reduz o tônus vagal e
acelera a condução
A.V.
Monitorar a F.C
Por via E.T, diluir 2 mg (8
ampolas) em 10 ml de SF 0,9%
adultoDroga
Apresentação
Via de Admin.Diluição
Indicação

Observações
BICARBONATO DE SÓDIO
Solução
Ampola 10 ml ou frasco 250
ml a 8,4%
EV
Não diluir, em adultos

Corrigir a acidose
metabólica

Não infundir
, simultaneamente, no
mesmo acesso venoso, drogas
vasoativas (dopa, dobuta,
epinefrina, atropina) e gluconato de
cálcio.
Na P.C.R, deve ser administrado,
preferencialmente em acesso
venoso exclusivo.

GLUCONATO DE CÁLCIO
Solução
Ampola 10 ml 10%
mg de Ca/ml
EV


Lento

Diluir 900 mg de Ca
(10 ampolas) em 150 ml de
Ativação da
musculatura cardíaca
através da estimulação
da Bomba de sódio e
potássio.
Corrigir a hipocalc
emia.

Evitar extravasamento venoso.
Pode causar irritação e até necrose
de tecidos.
Monitorar SSVV.

32

SF 0,9% ou 900 mg de Ca

(10 ampolas) em 250 ml de
SF 0,9%.
Infundir em BI.
AMINOFILINA Solução
Ampola
10 ml 240 mg
24 mg/ml
EV Lento
Diluir 1 ampola em 90 ml de
SG 5% ou SF 0,9%
240 mg/100ml em 30 min.
IM; SC
Broncodilatador
A injeção IM deve ser aplicada na
região glútea, profundamente (
muito dolorida).
Pacientes idosos EV com
cautela.
ADENOSINA
Adenocard
Solução
Ampola 2 ml 6 mg
3 mg/ml
EV

Em bolus
Não diluir, aplicar:
6 a 12mg (dose máxima).
1ampola em bolus, EV
A aplicação pode ser repetida
num intervalo de 1 a 2 minutos.

Antiarrítmico
Conversão da
taquicardia
supraventricular
paroxística.
Vasodilatação
coronariana

Monitorar P.A e F.C.
Realizar E.C.G.
HIDROCORTISONA
Flebocortid
SoluCortef

Liofilizado
Frasco ampola
100 e 500 mg
EV (rápido ou lento).
Rápido diluir em 10 ml de água
destilada.
(10 mg ou 50 mg/ml)
Lento10 ml ( 10 mg ou 50
mg/ml) em 90 ml de SF 0,9% ou
SG 5% em 30 min.
IM diluir em 2 ml de água
destilada.
Corticóide e
antiinflamatório potente
Droga
Apresentação
Via de Admin.Diluição
Indicação

Observações
DEXAMETASONA

Decadron

Solução

Ampola
2,5 ml 10 mg
4 mg/mlEV

Diluir até completar 10 ml em
água destilada. Administrar lento.
Corticóide
Na administração IM injetar
profundo e lentamente.
Observar presença de náuseas,
vômitos, cefaléia, hipertermia e
hipotensão.

33

Diluir em 50 ml de

SF 0.9% ou SG 5% infundir em
30 min.
IM
TERBUTALINA
(SULFATO)
Bricanyl
Solução
Ampola 1 ml 0,5 mg
EV

Diluir cada ampola (0,5mg) em
100 ml de
SF 0,9% ou SG 5%.
Infundir em 6 horas.
S.C

Broncodilatador
Controle rigoroso da mãe e do feto.

FUROSEMIDA
Lasix

Solução
Ampola 2 ml 20 mg
10 mg/ml
EV

Em bolus


1 minuto

Diurético e
antihipertensivo

METOCLOPRAMIDA
Plasil
Solução
Ampola 2 ml 10 mg
5 mg/ml
EV

Lento
Diluir em 8ml de AD, SF 0,9% ou
SG 5%.
IM, SC

Antiemético
Administração EV deve ser lenta
durante 1 a 2 min., para evitar
agitação e ansiedade.
DIPIRONA SÓDICA
Novalgina
Solução
Ampola 2 ml
1 g/ml
EV

IM, SC

Antitérmico
Analgésico

Quadro elaborado pela Professora Enfermeira Renata Loretti Ribeiro

34

Referência:Clayton,Bruce D.;Stock,Yvonne N.; Famacologia na prática de enfermagem; tradução Corbett,Danielle, et al.; Mosby Elsevier, 13ª ed.; Rio de Janeiro,20062. Calil, A. M., Paranhos W.Y.; O enfermeiro e as situações de emergência São Paulo: Atheneu,2007

Documentos PDF asociados:

Farmacologia em Urgência e Emergência
1 - Definições de urgência e emergência
TEMA 19. CONCEPTOS DE URGENCIA Y EMERGENCIA
Farmacologia – Princípios Básicos Farmacologia
Introducción a la Farmacología - farmacologia.hc.edu.uy
MANUAL DE MEDICINA DE URGENCIA - dep20.san.gva.es
Toracotomía de urgencia: Una revisión crítica
DEFINICIONES UTILES EN MEDICINA DE URGENCIA
ADOPCIÓN DE LA ECOGRAFÍA DE URGENCIA EN ... - sonosite.com
CONSEJO MEXICANO DE MEDICINA DE URGENCIA A. C.
CUIDADOS PREOPERATORIOS EN CIRUGÍA PROGRAMADA Y DE URGENCIA
MANUAL DE MEDICINA DE URGENCIA - PORTADA - elche
Diploma de Enfermería en Urgencia en Personas Adultas
¿Qué es una Emergencia Médica?
Manual De Psicoterapia Breve Intensiva Y Urgencia. Bellak
SERiES CLÍNiCAS DE MEDiCiNA DE uRGENCiA Secuencia rápida ...
Archivos de Medicina de Urgencia de México Reporte de caso ...
Archivos de Medicina de Urgencia de México Artículo de opinión
EQUIPOS DE EMERGENCIA STAGLIFE
Los servicios de emergencia y urgencias médicas ...
¿Qué es una Emergencia Médica? - reeme.arizona.edu
Plan Estrategico de un Servicio de Emergencia
Amamantamiento: Una respuesta de emergencia vital - llli.org
Manual Abc De La Emergencia - acidanor.files.wordpress.com
Atención sanitaria especial en situaciones de emergencia ...
Equipos de emergencia en laboratorios Duchas de seguridad ...
CONSENTIMIENTO PARA TRATAMIENTO MÉDICO DE EMERGENCIA ...
PLAN MODELO DE EMERGENCIA - redsismica.uprm.edu
bellak descargar Psicoterapia breve y de emergencia
informe n.º 1 Cuidado de Salud Mental de Emergencia ...
Cómo hacer frente a una emergencia en la que es necesario ...
ORIGEN DE LA NOVENA DE EMERGENCIA las mujeres (Hechos 1:14 ...
Dilemas Éticos en Medicina de Emergencia - reeme.arizona.edu
Flujo del Paciente en Sala de Emergencia - reeme.arizona.edu
MANUAL DE PROCEDIMIENTOS DE EMERGENCIA - network.icom.museum
FARMACOLOGIA - uv.mx
FARMACOLOGIA - Coren-DF
FARMACOLOGIA DOS BLOQUEADORES NEUROMUSCULARES E ...
DEPARTAMENTO FARMACOLOGÍA - elfabuloso11
Explore la Farmacología - aspet.org